4 meses após assassinato do jogador Daniel, sua mãe ainda sofre com a perda e o estado de saúde preocupa

A mãe ainda sofre com a perda do filho e seu estado de saúde não é dos melhores, Eliana não consegue ficar sozinha por medo

Sem sombra de dúvidas a pior coisa que uma mãe pode perder é o filho ou filha amada. Tudo se torna ainda pior quando o filho é levado do mundo por razões não naturais, um assassinato. Este é o caso do ex-atleta do time do São Paulo, Daniel.

O jovem foi assassinado durante o crime que aconteceu no dia 27 de outubro de 2018 e mesmo após meses de sua morte, a mãe, Eliana Correa, ainda está extremamente abalada e sofre com a perda.

Daniel era o único filho de Eliana e desde a morte do rapaz, não retornou para a própria casa, pois, não consegue ficar sozinha. Por esta razão precisa passar o dia inteiro acompanhado de sua querida irmã Ângela. Correa não possui condições psicológicas suficientes para ficar sozinha.

Eliana tem muito medo de ficar sozinha e os meses de dezembro e janeiro foram extremamente difíceis para ela por conta das lembranças. A família sempre passava o natal junta e no dia 4 de janeiro eles comemoravam o aniversário da filha de Daniel que fez 2 anos de idade.

Semanas depois, no dia 22 de janeiro, a família deveria comemorar o aniversário do próprio ex-jogador, porém, este ano as coisas foram diferentes. Eliana nos próximos dias vai relembrar ainda mais a morte do amado filho já que vai precisar ir até Curitiba para uma audiência onde ouvirá as testemunhas do crime.

A avó cuida da filha de Daniel com o maior carinho possível e vive uma situação extremamente delicada. A pequenina ainda pergunta pelo pai e faz com que Correa sofra ainda mais. Em uma oportunidade em que Eliana viajou para São Paulo a fim de visitar a neta, a garotinha ao ver que tinha alguém no portão, correu acreditando que seria seu pai.

As informações são de que a menina correu toda feliz gritando pelo pai e dizendo que ele sempre aparecia para a levar até um parque para brincar. O caso foi extremamente divulgado pela mídia e falado nas redes sociais. O crime ainda está em processo e a audiência servirá para o juiz decidir se os acusados vão ou não a júri popular.