A mulher que ofendeu o casal gay em Birigui cometeu crime de injúria racial e ameaça, ela pode ser indiciada

A Polícia Civil passou a investigar o ataque homofóbico sofrido por um casal gay dentro de uma clínica veterinária de Birigui, no interior de São Paulo.

De acordo com o delegado Eduardo Lima de Paula, a mulher que ofendeu o casal gay em uma clínica veterinária em Birigui São Paulo, cometeu pelo menos dois crimes, de ameaça e de injuria racial.

Desde o momento que o vídeo passou a circular nas redes sociais e o casal fez o boletim de ocorrência na Delegacia, a polícia passou a investigar a mulher e o ataque homofóbico contra o casal gay.

PUBLICIDADE

O vídeo que circula nas redes sociais, flagra o momento em que a mulher ofende o casal, o caso aconteceu na última sexta-feira (25).

O casal Guilherme Franceschini e Eric Cordeiro, registrado o boletim de ocorrência contra a mulher mas foi feito pela internet.

PUBLICIDADE

Segundo o delegado, somente pelas imagens é possível afirmar que a mulher cometeu os crimes de injúria racial e ameaça.

O Supremo Tribunal Federal afirma que enquanto não há uma lei específica para condenar os crimes de homofobia, a lei vigente é que será aplicada, por isso que os crimes de injúria e racismo são acrescentados à homofobia.

O boletim de ocorrência foi feito pela internet, mas de acordo com o delegado, o casal deve comparecer à delegacia para que um inquérito possa ser instaurado, o delegado disse que injuria racial é um crime que estipula entre 1 a 3 anos de prisão e ameaça de um a seis meses.

Se a mulher não tiver antecedentes criminais ela pode entrar em um acordo e não precisar ficar presa, mas se ela tiver antecedentes criminais então mais na frente pode ser que vá para a cadeia.

 

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.