Após acusar bode de atacar criança, mulher é presa por tirar a vida do próprio filho

Amanda Serafim de Oliveira, alegou que o filho havia sido atacado por um bode que desferiu chifradas contra o garoto.

Um crime chocante aconteceu no dia 5 de agosto de 2018, de modo bárbaro, uma criança acabou perdendo a vida, na época do crime, a mãe da criança chegou a culpar um bode pela fatalidade.

A tragédia aconteceu na cidade de Queimadas, no Agreste da Paraíba, no dia 5 de agosto de 2018, o menino de apenas um ano e quatro meses, foi morto por chutes e murros, segundo resultado da perícia.

PUBLICIDADE

Na época, a mãe da criança, Amanda Serafim de Oliveira, de 20 anos de idade, alegou que um bode havia causado a morte de seu filho, em depoimento, ela disse que o animal havia atacado a criança, dando-lhe várias chifradas na cabeça.

Nesta terça-feira, dia 29, Amanda Serafim foi presa acusada de matar o próprio filho.

PUBLICIDADE


A investigação realizada pela Polícia Civil comprovou que a morte da criança se deu por conta de chutes e murros efetuados por Amanda, e também por seu companheiro, Márcio José Silva Tavares, de 30 anos, padrasto do garoto.

Márcio foi preso dois dias após o crime, até então, a polícia apenas tinha suspeitas de que Amanda teria participado desta crueldade contra o próprio filho, porém, o padrasto do menino, Márcio, resolveu revelar toda a verdade e contou para a polícia em detalhes, como tudo aconteceu.

O menino de apenas 1 ano e 4 meses se chamava Davi Luca, ele estava em um sítio em Capoeira, localizado na zona rural de Queimadas, e foi lá que o menino passou seus últimos momentos de agonia e sofrimento, sendo agredido pelo casal.

A criança agredida, chegou a receber socorro e foi encaminhada ao Hospital Geral de Queimadas, onde recebeu atendimento médico, mas não suportou aos ferimentos e faleceu.

Em seu primeiro depoimento, Amanda acusou um bode de ter atacado o filho Davi Luca, que teria se ferido com as chifradas do animal.
Em um segundo depoimento, Amanda afirmou que a criança teria se engasgado.

O depoimento do padrasto e resultado do IML comprovam que estas não foram as causas do crime, as várias contradições dos depoimentos também ajudaram a polícia a identificar Amanda como participante no crime.

O depoimento do padrasto de Davi Luca, Márcio, juntamente com o resultado do laudo realizado pelo IML (Instituto Médico Legal), negam que esta hipótese seria a causa da morte do garoto.

“Desde o início da investigação a gente tinha a suspeita de que ela tinha participação na morte. Depois que o laudo cadavérico apontou morte por ação dolosa de natureza humana e prendemos o padrasto ela mudou a versão para o ocorrido diversas vezes e essas versões não batiam com o que o padrasto falava.

Então, surgiu o apontamento de que ela teve participação e resolvemos pedir a prisão dela”, disse o delegado responsável pelo caso, Lasley Almeida.

Assista ao vídeo:

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]