Após realizar um almoço em família, todos ficaram infectados com Covid-19 e mulher não resiste:” Com filho de síndrome de down ela era tudo para ele”.

Um convívio familiar que se tornou tragédia.

Zemilda Silva do Nascimento, de 54 anos, estava vivendo o melhor momento da sua vida nos últimos cinco meses. Ela realizou o seu sonho, de ter conseguido ter a sua própria casa, em Mogi das Cruzes.

Zemilda, dividia o lar com o seu filho especial, Pedro de 14 anos, portador da doença Síndrome de down. Devido a ser uma criança especial, os cuidados para com ele, ocupava uma boa parte da sua rotina diária.

PUBLICIDADE

A mulher ficou muito conhecida, por ser uma pessoa muito alegre, e também por participar em todas as atividades, onde o filho estudava. No último dia 26 de abril, a mulher reuniu todos os seus familiares mais chegados, para fazer um almoço de lasanha, que estava a desejar saborear esse prato, então decidiu juntar todos sobre a mesa.

Mas infelizmente, um almoço que era para ser de felicidade, acabou sendo de luto, infelizmente por ali, já circulava o novo coronavírus. Os seus 6 familiares, todos testaram positivo para a doença. E Zemilda, acabou por não usufruir do seu sonho, e faleceu após 15 dias, depois de ter complicações com a doença.

PUBLICIDADE

Zileide Silva do Nascimento, é a irma mais velha de seis irmãos, ela relata, que o convite veio da parte da irmã, que estava com vontade de comer uma lasanha. Então convidou uma das irmas, que passou para o resto da família mais próxima.

“Na altura, ninguém teve sintomas da doença, por isso ninguém pensou que isso poderia vir a acontecer. Mas antes disso, o Pedro já teria ficado doente, com dor de ouvido, mas ela já se tinha recuperado. Mas a família acredita que o garoto estava doente, e todos em redor acabaram por contrair também a doença.

O teste dele deu positivo”, relatou Zileide, apenas ela escapou porque não esteve presente, estava a trabalhar na altura conta. Os sintomas, só se manifestaram dois dias após o almoço, foi quando a mulher começou a ter os primeiros sintomas forte de gripe. A família conta, que ela se dirigiu até à Unidade de Pronto Atendimento, do Oropó, e apenas lhe passaram um medicamento para tomar em casa.

Ainda segundo a família, conta que a situação se repetiu por mais três vezes. Duas delas na segunda-feira 4 de maio. Mas só no dia seguinte ela foi internada, com com muita falta de ar.

“A minha filha contou que ela já estava mal em casa. Quando nós chegamos, ela estava muito mal mesmo. Foi quando o Samu chegou, e queria levar ela novamente para o UPA, mas a gente disse que o médico tinha dito que se caso a situação piorasse, tinha que a levar para o hospital. Então levaram para lá, isso aconteceu à tarde,e quando chegou a noite foi entubada”, recorda. Zemilda acabou por vir a óbito no dia 11 de maio.

Ainda depois da mulher ser internada, os familiares que fizeram parte do almoço, também deram inicio a alguns sintomas de gripe e perda de olfato e paladar. Uma das irmas também precisou de ser internada, mas já se recuperou.

O mais triste é Pedro, que está sofrendo demais com a falta da mãe, que era o seu pilar, seu ponto seguro. Pedro atualmente está em casa da tia mais velha. Ela que conta que ele chora, chama pela mãe, e diz que ela morreu. Eles ainda tentam aliviar a dor do garoto, dizendo que a mãe foi viver com o pai dele no céu.

A tia fala que o adolescente está num grande sofrimento:”Ele também quer ir morar com os pais. A gente fica sem chão. Ela era tudo para ele. Levava ele para todo o lugar que necessitava. Eu tive que o levar ao hospital onde a mãe estava internada, ele me disse que não queria entrar, porque a mãe tinha morrido ali.É duro”. finaliza.

Escrito por Carla Sofia

Sou especialista em Receitas, dicas e saúde! Gosto sempre de estar atualizada de novas receitas e formas medicinais!