Bancário solicita que passageiro do metrô colocasse a máscara e leva soco no olho

A agressão teve início na Estação 106 Sul e prosseguiu até o terminal da Asa Sul, quando foi empurrado para fora do vagão por um terceiro envolvido, de 31 anos.

Na última terça-feira (22) um bancário discutiu com algumas pessoas no trem no metrô do Distrito Federal, cobrando máscaras e acabou sendo agredido.

O bancário Paulo Maurício Goulart de 41 anos falava com os passageiros para que cumprissem o decreto e usarem a máscara para proteção contra covid-19, houve uma discussão e o bancário foi agredido com um soco.

PUBLICIDADE

O acusado Carlos Antunes disse que reagiu após ser bordado com falta de educação pelo bancário, Paulo voltava para casa por volta do meio-dia e ao ver algumas pessoas entrando nos vagões sem usar máscara de proteção contra o vírus ele questionou as pessoas.

Carlos reagiu os dois discutiram e ele acabou dando um soco em Paulo, o bancário contou que solicitou que eles colocassem a máscara para que todos tivessem seguros protegidos e isso era um direito de todo cidadão não é um dever somente a pessoa se preocupar consigo mesma, mas com o próximo.

PUBLICIDADE

Mas o rapaz ficou enfurecido eles discutiram e logo em seguida Partiu para a agressão, o bancário diz que foi atendido por segurança da estação todas as pessoas que estavam no vagão também o ajudaram a conter a agressão.

Ele Procurou a primeira delegacia de polícia e narrou o que aconteceu fez um exame no Instituto Médico Legal de corpo de delito e disse também está insatisfeito com o desfecho da ocorrência policial.

Paulo disse que o boletim foi registrado como injúria e não como agressão, ele levou um soco no olho e o boletim foi registrado como injúria, Carlos diz que Paulo estava gritando e o xingou de babacão e vagabundo, ele acabou perdendo a cabeça e agrediu o bancário.

 

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.