Bebê contrai meningite e quase morre depois que a mãe o colocou sentado em um carrinho de supermercado

Quase 24 horas depois de sentar no carrinho, Logan passou a apresentar sintomas que preocuparam sua mãe.

A mãe do bebê disse que 24 horas depois de levar a criança no supermercado, ele desenvolveu um quadro grave de diarreia, vômito e febre muito alta.

A criança passou 10 dias internada, oito desses dias em uma Unidade de Terapia Intensiva. Viviane Wardrop de 37 anos que é mãe de cinco filhos, não culpou o supermercado pela condição do filho. No entanto, resolveu utilizar a experiência para elevar a conscientização sobre o problema.

PUBLICIDADE

Quase 24 horas depois de sentar no carrinho, Logan passou a apresentar sintomas problemáticos. Em um momento sua diarreia estava tão forte que ele passou a evacuar sangue.

“Na manhã de quarta-feira eu o tirei da cama e vi que estava com uma diarreia muito forte”, disse ela ao Daily Mail.

PUBLICIDADE

“Ele tinha sujado suas roupas e as roupas da cama. Dei uma mamadeira e ele vomitou, e isso continuou ocorrendo durante todo o dia”.

Quando levou a criança a Unidade Hospitalar um médico lhe falou que deveria ser apenas uma virose. No entanto, na madrugada do dia seguinte, Logan estava muito desidratado e outra vez precisou ser levado a um pronto-socorro. Os profissionais de saúde observaram que sua frequência cardíaca estava em 200-220 batimentos por minuto (BPM normal é de 80-140).
Após uma série de análises diagnosticaram-no com adenovírus, rotavírus, salmonella e meningite.

“Estávamos com muito medo de perdê-lo. Não parecia que os médicos conseguiriam curá-lo pelo fato de que, não sabiam o que existia de incorreto com ele”, falou a mãe.

“Eu jamais tinha visto uma criança tão doente, e tenho cinco filhos. Ele perdeu 10% do peso do corpo em três dias e passou a ficar inchado pelo fato de a água não entrava nas células, era assustador. Eles disseram que era muito raro ser atingido por todos esses vírus de uma só vez”.

Após ser liberado, Logan ainda precisou de algumas semanas para conseguir uma recuperação completa, uma vez que a união da salmonella e rotavírus fizeram com que seu intestino fosse totalmente despojado de conteúdo.

De acordo com a mãe, após falar com os profissionais de saúde sobre o histórico do bebê, nas últimas semanas que antecederam o problema, ela descobriu a causa. No entanto, resolveu não entrar com um processo judicial ou entregar o supermercado, mas quis propagar a história para avisar mães ao redor do mundo.

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]