Bloco no Rio interrompe a folia para encontrar mãe de criança perdida

Conhecido por ser incansável, o bloco Boi Tolo, que segundo os foliões, nunca para, parou por uma causa nobre

‘Durante a folia acontecem diversas histórias que aos poucos vão nos mostrando a lindeza que é o Carnaval e todo seu significado diante de uma população que batalha para sobreviver as batalhas no dia a dia.

O bloco Boi Tolo, que segundo os foliões é incansável e nunca para, parou! E por um motivo pra lá de nobre: achar a mãe de uma criança que havia se perdido no Centro do Rio em pleno Carnaval.

PUBLICIDADE

Por 20 minutos os músicos cessaram o som e sentaram no chão para encontrar a vendedora ambulante Ágata Januário, mãe do Rafael. Os foliões seguiram os músicos e também se abaixaram em silêncio e depois começaram a gritar o nome de Ágata até que ela ouvisse o chamado e chegasse ao bloco.

Uma catarse coletiva atingiu o bloco quando a vendedora adentrou o cordão acompanhada pelo marido e encontrou o filho. O momento, provavelmente, foi mais um daqueles que entram para história do carnaval de rua do Rio“, ainda com palavras de Paula Ferreira, jornalista d’O Globo.

PUBLICIDADE

A mãe ficou muito aliviada ao encontrar o filho Rafael, ela ganha R$ 70 reais por dia trabalhando vendendo bebidas aos foliões, e disse que a criança estava com uma pulseira de identificação que acabou arrebentando.
Em um segundo ele sumiu. Senti desespero e agora felicidade. Eu fiquei impressionada com a humildade e a simplicidade desse bloco. Eles pararam de tocar para me encontrar”, disse.

O Boi Tolo viveu um momento mágico na manhã deste domingo de Carnaval. O ‘bloco que nunca para’ interrompeu a folia para ajudar uma criança perdida a encontrar sua mãe.

Por cerca de 20 minutos, os músicos pararam a música, se sentaram no chão e gritaram o nome de Ágata até que a ambulante aparecesse. Quando aconteceu o encontro, uma catarse coletiva tomou conta do bloco.

“Em um segundo ele sumiu. Senti desespero e agora felicidade. Eu fiquei impressionada com a humildade e a simplicidade desse bloco”, conta a trabalhadora, que ganha R$ 70 por um dia inteiro de trabalho vendendo bebidas. O momento, provavelmente, foi mais um daqueles que entram para história do carnaval de rua do Rio’

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]