Boatos de novo ataque em 3 escolas se espalham e causa pânico ente pais de alunos: “Padre Anchieta ne? Massacre escolar agendado”

Os boatos causaram pânico geral entre os pais de alunos das escolas que temeram pela vida de seus filhos.

“Padre Anchieta, né? Massacre escolar agendado”, acompanhada da foto de uma arma essa foi a mensagem que se espalhou nas redes sociais e causou grande pânico entre os pais de alunos de 3 escolas. A mensagem fazia referência a um novo ataque em escolas e pais de alunos que correram para as escolas para buscarem seus filhos.

No entanto as escolas decidiram manter as aulas normalmente. Essas três escolas receberam a mensagem: Escola Estadual Padre Anchieta, em Diadema; Escola Miguel Vicente Cury, no bairro Padre Anchieta, em Campinas; e para a Escola Bady Bassit, na Vila Anchieta, em São José do Rio Preto.

PUBLICIDADE

“Pais ligavam ou vinham até a escola bastante nervosos, querendo saber se estava tudo bem, se havia acontecido algo. Alguns quiseram levar os filhos para casa. Uma situação que nunca vivemos antes”, contou uma professora da unidade de Campinas, que pediu anonimato.

A mãe de um aluno de uma dessas escolas, Susi dos Santos, de 39 uma  comerciante, correu para a escola para ver se estava acontecendo alguma coisa com seu filho assim que recebeu a mensagem nas redes sociais.

PUBLICIDADE

“Depois do que aconteceu, ficamos em choque. Não arrisco deixar meu filho na escola, se tiver dúvidas sobre a segurança dele.”
Também circulou um falso comunicado da diretoria de uma das escolas orientando os pais a não enviarem os filhos para as aulas por causa dos perigos de um novo ataque, mensagem que foi desmentida pela diretoria em questão.

“Não sabemos ainda se é apenas uma brincadeira de muito mau gosto ou uma ameaça real, mas, depois do lamentável episódio de Suzano, não podemos ficar imóveis”.

“As mensagens parecem ser trote ou brincadeira mesmo, mas todo mundo está muito impactado com o que aconteceu. A gente prefere pecar pelo excesso de cuidado.

Os alunos estão muito assustados e no dia do massacre só perguntavam e conversavam sobre como fugiriam e onde se esconderiam se entrasse um atirador na escola”, disse uma professora da unidade de Diadema, que também não quis se identificar.

Os trotes causaram muita angústia nos pais dos alunos que assistiram pela TV as cenas terríveis do ataque na escola em Suzano.

 

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]