Com duração de 24h, rodízio de veículos em São Paulo volta a partir de segunda-feira (11)

Bruno Covas (PSDB), prefeito de São Paulo, fez o anúncio nesta quinta-feira (7) a respeito do retorno do rodízio na metrópole e que será mais restritivo. “Não podemos deixar de tomar tal atitude nessa fase onde observamos a taxa de ocupação das UTIs acima de 80% e os hospitais referenciados a COVID-19 acima de 90% da ocupação.

Bruno Covas (PSDB), prefeito de São Paulo, fez o anúncio nesta quinta-feira (7) a respeito do retorno do rodízio na metrópole e que será mais restritivo. “Não podemos deixar de tomar tal atitude nessa fase onde observamos a taxa de ocupação das UTIs acima de 80% e os hospitais referenciados a COVID-19 acima de 90% da ocupação.

“Precisei tomar providências extremas. Ao bloquear as avenidas, não deram resultados esperados. Não foi o suficiente para manter as pessoas em suas casas”, declarou Covas.

PUBLICIDADE

Segundo o prefeito, o rodízio está de volta na segunda-feira (11), valendo para toda a cidade de São Paulo, não apenas no centro expandido. Tal rodízio será válido por 24h no dia. Em dias pares, irão circular os veículos com placas de final par; em dia impares poderá circular veículos com final ímpar.

O rodízio também será válido aos finais de semana.

PUBLICIDADE

Covas ainda disse que mais de mil ônibus serão colocados à disposição na rede municipal de transporte e mais 600 próximo aos terminais de ônibus, caso seja necessário a SPTrans utilizar.

Ficam fora do rodízio veículos militares (polícia e exército), veículos da área da saúde e dos profissionais da área. Os profissionais que trabalham na área da saúde deverão fazer um cadastro junto à Prefeitura via e-mail para ficarem fora das obrigações com o rodízio, enviando uma planilha com CPF, placa do veículo, onde trabalha e nome do profissional. Os documentos devem ser encaminhados a [email protected]

Nesta semana, bloqueios restritivos chegaram a ser implantados pela Prefeitura, mas o próprio Bruno notou que tal medida causou trânsito, sendo questionada pelo Ministério Público foi um erro, sem efeito necessário. Por isso, os bloqueios voltaram apenas como medidas educativas.

Na capital, a taxa de isolamento social, onde concentra a maior quantidade de mortes e casos da COVID-19 no Estado, tem preocupado as autoridades. A taxa está abaixo dos 50% (48% na segunda (4) e terça (5)), estando acima apenas nos finais de semana. A meta é de 60%, mas 70% são o ideal, evitando um colapso do sistema de saúde.

Segundo o balanço da Secretaria Estadual de Saúde da quarta-feira (6), a capital teve 1910 óbitos pela COVID-19 e 23.187 foram confirmados. Em todo o Estado de São Paulo, são 3.045 óbitos e 37.853 casos da doença.

Tais medidas evitarão que a cidade seja decretada ao Lock Down, segundo a prefeitura.

 

Escrito por News Report

Colunista de notícias, visando levar a informação à leitores diversos, através da internet, mídias sociais, redator de plataforma em diversos assuntos.