Conheça os brasileiros que sobrevivem com água suja e comida de porco

Conheça a dura vida dos moradores de Muvuca, em Maceió

Williams Tavares, de 19 anos de idade, concedeu uma entrevista na qual falou sobre a comunidade da Muvuca, no Vergel do Lago, um dos lugares mais pobres de Maceió, a capital de Alagoas.

“A situação é precária. O que fazer, se em certos dias falta dinheiro para o pão ou a mistura, e em outros ainda falta água para beber ou para tomar banho?”, disse o jovem morador da comunidade.

PUBLICIDADE

“Existem cerca de 3,6 mil barracões aqui na Muvuca, em alguns, vivem sete pessoas juntas”, continuou ele em entrevista à BBC News Brasil foi até o local em uma visita organizada pelo projeto Consultório na Rua, que faz o acolhimento de pessoas em situação vulnerável, sob comando da prefeitura.

Saneamento básico ali não existe, somente duas torneiras abastecem as famílias. Uma das moradoras disse que, como não há condições básicas, ela faz suas necessidades fisiológicas em uma sacola, e depois a descarta em uma lagoa ou em um descampado.

PUBLICIDADE

Com a falta de alimentos e a fome castigando, muitos ali, necessitam de pegar restos de comida de hotéis em uma parte mais rica da cidade para levar para casa.

É a conhecida “lavagem de porco”. “Esse alimento seria para porcos, mas agora as pessoas estão pegando e trazendo para a mesa de suas casas”, afirma Williams.

Alexsandra, cujo marido foi um dos moradores que ajudaram a cavar um enorme buraco para a instalação de um cano mestre na região, é dona de um dos apenas 5 barracões que recebem água e distribuem para o resto da população. Ela também comentou sobre.

“A gente fica muito tempo, as vezes mais de um mês, sem água, que quando vem é muito suja. Isso causa dor de barriga em todos, e muitos adoecem. Mas ela serve para matar a nossa sede, fazermos comida e tomar banho usando um balde. Às vezes, é um balde com a mesma água para cinco, seis pessoas tomarem banho”, relatou ela.

“O nosso dia a dia é assim, cheio de luta. Ás vezes Deus nos envia comida, e outros dias não. O preço de absolutamente tudo aumentou, se não bastasse todo o nosso sofrimento”, finalizou Williams.

 

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.