Defensoria Pública afirma que Flamengo se recusou a acertar indenização para famílias de adolescentes vítimas em incêndio

Um impasse entre a Defensoria Pública e o Clube de Regatas do Flamengo vai levar o caso do Ninho do Urubu a Justiça. Segundo publicação da Defensoria Pública, o clube se recusa a acertar os valores de indenização para as famílias dos adolescentes mortos em incêndio no alojamento do clube.

Um impasse entre a Defensoria Pública e o Clube de Regatas do Flamengo vai levar o caso do Ninho do Urubu a Justiça.

Segundo publicação da Defensoria Pública, o clube se recusa a acertar os valores de indenização para as famílias dos adolescentes mortos em incêndio no alojamento do clube.

PUBLICIDADE

Enquanto o Flamengo afirma que ofereceu um valor acima dos padrões, a Defensoria alega que o valor ofertado pelo clube é inferior ao considerado razoável. Caso agora deve parar na justiça.

Em nota, a Defensoria alega que “os valores apresentados pelo clube estão aquém daquilo que as instituições entendem como minimamente razoável diante da enorme perda das famílias e demais envolvidos”.

PUBLICIDADE

Do outro lado, o Flamengo argumenta que “teve o cuidado de oferecer valores maiores dos que estão sendo estipulados em casos similares, como, por exemplo, o incêndio da boate Kiss, ocorrido em 2013. Até hoje, vale lembrar, famílias não receberam a indenização”.

Leia a íntegra da nota do clube carioca:

O Clube de Regatas do Flamengo, em relação às tratativas com o MP-RJ, a Defensoria Pública e o Ministério Público do Trabalho, esclarece que:– No primeiro dia do trágico acidente, o Flamengo tomou a iniciativa de procurar as autoridades e se pôr à disposição para, independentemente das investigações acerca de culpa, indenizar as famílias de seus jovens atletas no menor prazo possível.

– Para este fim, o Clube se prontificou a participar de um processo de composição amistosa. Trouxe familiares das vítimas para o Rio de Janeiro, com o objetivo de que estes pudessem se reunir com a Defensoria Pública e, assessorados por ela, tivessem a oportunidade de participar diretamente do processo amistoso de negociação.

– Paralelamente, o Flamengo participou de reuniões com as autoridades, buscando estabelecer critérios comuns para a negociação.

– Nestes encontros, foi solicitado ao Clube que este apresentasse uma proposta de valor que pudesse balizar as conversas. Isso foi feito, embora não atendesse ao princípio de uma mediação aberta.

– Nesta terça-feira (19), após reunião com autoridades daqueles órgãos, o Flamengo – independentemente de processo judicial – ofereceu, por fim, um valor que está acima dos padrões que são adotados pela Justiça brasileira, como forma de atender com brevidade as famílias de seus jovens atletas.

– O Flamengo teve o cuidado de oferecer valores maiores dos que estão sendo estipulados em casos similares, como, por exemplo, o incêndio da boate Kiss, ocorrido em 2013. Até hoje, vale lembrar, famílias não receberam a indenização.

– A atuação do Flamengo, no Brasil, é praticamente inédita, até onde se tem notícia.

– Diante disso, o Flamengo reitera o propósito de se antecipar e informa que vai instaurar procedimento de mediação no Núcleo de Mediação do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, coordenado pelo Desembargador Cesar Cury, e para o qual convidará as famílias – e deixando claro que as autoridades também serão convidadas.

Escrito por Carla Lopes Silva

Colunista em sites de notícias e curiosidades. Adoro escrever sobre todo tipo de assunto. Curiosa por natureza, e amante da internet. Contato: [email protected]