Despreparo: PM dispara gás de pimenta contra alunos dentro de escola depois de ser desobedecida

Professores da escola afirmam que não houve confronto e nenhum tipo de hostilização contra os agentes por parte dos alunos. Segundo depoimentos, os alunos se manifestaram verbalmente depois de serem atingidos pelo gás, mas ninguém se excedeu.

Ação de policiais militares dentro da Escola Estadual República do Peru, em Cotia, na Região Metropolitana de São Paulo, gerou revolta da comunidade e professores.

Os agentes estavam na escola para ronda escolar, que faz parte de um programa Estadual, e dispararam gás de pimenta contra os alunos, o motivo teria sido a desobediência dos alunos.

PUBLICIDADE

Segundo testemunhas, os agentes ordenaram que os alunos voltassem para o interior da escola, mas foram ignorados. A agente que arremessou o gás contra os alunos já foi identificada.

Sobre a ação da polícia dentro da escola, um professor declarou que “de tempos em tempos eles vêm até a escola, conversam com a direção e assinam um livro dizendo que estiveram presentes”.

PUBLICIDADE

Outro professor, que preferiu não se identificar, descreveu a ação: “Coincidiu de ser intervalo na escola, às 9h30. A policial, acho que ficou insatisfeita com o que ela imaginou ser uma desordem, quis cumprir a função de inspetora de aluno.

Ela decidiu por conta própria que ia fazer isso e foi um fracasso. Os alunos não atenderam. Ela, completamente despreparada, começou a usar gás de pimenta contra os alunos. Gerou uma situação caótica”.Professores da escola afirmam que não houve confronto e nenhum tipo de hostilização contra os agentes por parte dos alunos. Segundo depoimentos, os alunos se manifestaram verbalmente depois de serem atingidos pelo gás, mas ninguém se excedeu.

Do outro lado, a Secretaria de Segurança Pública alega que a agente reagiu a hostilização dos alunos que, supostamente, teriam cercado e coagido os agentes. Em nota, a SSP descreve a ação da seguinte forma: “inicialmente, os agentes dialogaram com os alunos para tentar dispersá-los.

Mas, diante da negativa, foi necessário o uso de técnicas e equipamentos para o controle de distúrbios civis a fim de conter a ação do grupo e acionar equipes de apoio que estavam próximas ao local.”

Alunos, professores e demais funcionários da escola atingidos pelo gás de pimenta precisaram ser hospitalizados.

A comunidade escolar da Escola divulgou a seguinte nota:

Nota das professoras e professores da E.E. República do Peru

Durante o intervalo do turno da manhã de hoje, 19 de fevereiro, uma policial militar da Ronda Escolar em visita de rotina tomou a decisão de desviar sua função e cumprir o papel de inspetoria.

Insatisfeita com o fracasso da sua tentativa, começou a usar gás de pimenta atingindo alunos, funcionários e professores. Vários alunos passaram mal e tiveram de ser atendidos no hospital de Cotia, onde foram acompanhados pela direção da escola.

Não bastasse essa ação violenta e injustificável, poucos minutos depois, um forte efetivo da PM foi deslocado para a escola contribuindo para deixar o clima na comunidade ainda mais tenso.

As autoridades responsáveis tem de tomar as medidas necessárias diante desse abuso de poder.

Por fim, as professoras e os professores da E.E. República do Peru, assim como a nossa comunidade escolar, estamos indignados com os lamentáveis fatos ocorridos e estaremos juntos para impedir que voltem a acontecer.

Cotia, 19 de fevereiro de 2019.

Escrito por Carla Lopes Silva

Colunista em sites de notícias e curiosidades. Adoro escrever sobre todo tipo de assunto. Curiosa por natureza, e amante da internet. Contato: [email protected]