Dois prédios desabam na comunidade da Muzema, na Zona Oeste do Rio

Dezenas de pessoas vasculham os escombros para tentar localizar possíveis vítimas. Ao menos um ferido foi retirado por moradores e levado para o socorro do Corpo de Bombeiros.

Dois prédios, de 4 andares, desabaram nessa manhã (12), na Estrada de Jacarepaguá, 370, na comunidade da Muzema, no bairro de Itanhangá, na Zona Oeste do Rio. Equipes do Corpo do Bombeiros já estão no local.

De acordo com informações do jornal “Bom Dia Rio”, da TV Globo, um homem foi resgatado por moradores, que usaram uma porta para improvisar uma maca e socorrer o ferido.

PUBLICIDADE

Um morador relatou que um homem, uma mulher e uma criança também foram resgatados com vida.

Moradores afirmam haver outras vítimas sob os escombros.

PUBLICIDADE

Moradores retiraram homem dos escombros apoiado em uma porta que foi usada como maca

Em entrevista, uma moradora, e afirmou que a mãe estava em casa e que pode estar embaixo dos escombros de um dos prédios.

– Só pensam em construir e vender, não importa as condições – lamenta a moradora.

Moradora desesperada conta que a me est presa nos escombros

Outro morador da região afirmou que a construção dos prédios são recentes. Conforme ele, os edifícios foram inaugurados há cerca de seis meses.
Os desabamentos aconteceram em uma área alta da comunidade, perto de uma zona de mata.

Segundo a Prefeitura do Rio, as construções são irregulares e foram feitas em área dominada por milícias.

Bombeiros vasculham escombros de prdios que desabaram na comunidade da Muzema

A comunidade Muzema foi uma das mais atingidas pelo temporal que atingiu o Rio de Janeiro. Até esta quinta-feira as ruas da região ainda estavam alagadas.

O Rio encontra-se em estágio de alerta desde a última segunda-feira.

   80 tiros: presos 10 militares envolvidos em ação que resultou em uma morte

O Exército estabeleceu, nesta segunda-feira (8), no Rio de Janeiro, a prisão de 10 dos 12 militares que estavam na guarnição envolvida em 80 disparos contra um carro, nesse fim de semana (7), na zona oeste do Rio, que acabou com um morto e dois feridos.

Segundo informações, encontraram contraposição entre os fatos descritos pelos militares e as informações que chegaram posteriormente ao Exército. As prisões foram determinadas após os depoimentos.

No começo, informaram que a guarnição circulava pelo bairro de Guadalupe quando se deparou com um assalto e foi atacada por criminosos. E por isso, atirou contra os assaltantes. De acordo com essa primeira nota divulgada na tarde de ontem pelo Exército, o homem que morreu e o que ficou ferido eram assaltantes.

   A morte

Uma terceira pessoa, um pedestre, foi acertado durante o tiroteio, conforme ainda a primeira nota do Exército. A Polícia Civil, no entanto, depois de fazer uma perícia no local, informou que não existia assaltantes no carro e que as duas vítimas eram integrantes de uma família que estava no veículo. O homem que morreu foi identificado como Evaldo dos Santos Rosa e o ferido que estava no carro seria seu sogro. Evaldo tinha 51 anos e era músico.

Além deles, se encontravam no carro a mulher de Evaldo e uma criança, que não ficaram feridas. De acordo com a última nota divulgada, os militares presos estão à disposição da Justiça Militar, que executará a audiência de custódia e decidirá se manterá ou não a prisão.

“O Exército Brasileiro renova seu rígido compromisso com a transparência e com os parâmetros legais impostos pelo Estado de Direito ao uso legítimo da força por seus membros, repudiando veementemente excessos ou abusos que venham a ser cometidos quando do exercício das suas atividades”, finaliza a nota.

   Polícia Civil realizou perícia

Um delegado esteve no local para realizar a perícia. Ele falou que tinha indícios para uma prisão em flagrante.

“Foram inúmeros disparos de arma de fogo efetuados, e tudo indica que os militares realmente confundiram o veículo com um veículo de bandidos. Mas neste veículo estava uma família. Não foi encontrada nenhuma arma [no carro]. Tudo que foi esclarecido era que de fato era uma família normal, de bem, que acabou sendo vítima dos militares”, disse o delegado em entrevista.

 

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]