Doméstica era tratada por patroa como lixo e sujeita a trabalho escravo por 35 anos sem receber qualquer pagamento

Segundo MPT, Justiça do Trabalho determinou pagamento de cerca de R$ 170 mil de indenização por danos morais. Caso aconteceu em Elísio Medrado, no recôncavo baiano.

Segundo o Ministério Público do Trabalho, o estado da Bahia é o quinto estado com trabalhadores em situação de escravidão, de acordo com o órgão, em 2019 dezenas de ações foram registradas, por encontrar trabalhadores em situação escravo.

Segundo o órgão, na zona rural e na zona urbana à muitas pessoas vivendo como escravos, nas atividades pecuárias é onde aparece a maior incidência desse registro de escravidão.

PUBLICIDADE

Nas últimas duas décadas, foram mais de 12.500 trabalhadores nessa situação, somente no estado da Bahia.

Nesta quinta-feira dia 11, uma mulher foi condenada pela justiça do trabalho, por manter uma empregada por 35 anos em situações de escravidão, a mulher vivia em Elísio, o caso foi julgado em Santo Antônio de Jesus, as cidade ficam distante uma da outra, por cerca de 40 km.

PUBLICIDADE

A mulher que foi resgatada, chegou afirmar que durante todo esse tempo que trabalhou, não chegou receber qualquer tipo de pagamento, ela apenas vivia na casa, comia e bebia sem uma remuneração.

Segundo a empregada, o trabalho era trocado ela trabalhava limpava passava cozinhava e recebia em troca, alimentação, moradia e vestuário, o Ministério do Trabalho afirmou que em 2017 eles chegaram a entrar neste caso, a senhora que vivia em estado de escravidão chegou a receber algumas parcelas do seguro-desemprego, mas por não ter experiência de viver sozinha acabou retornando para casa da patroa novamente.

O Ministério do Trabalho entrou com sentença contra mulher, ela terá que pagar uma multa de r$ 170.000 de indenização a mulher que está em estado de escravidão, deve ser indenizada   por danos morais e racismo.

A sentença foi dada pela juíza substituta da Vara do Trabalho, Paula Leal, a mulher começou a trabalhar na casa da patroa em 1981, mas a rescisão prescreveu, a sentença foi somada nos últimos 5 anos de trabalho.

Em vários estados e regiões existem situações como esta, pessoas vivendo como escravos, apenas recebem a comida o teto as vestes e nem um salário, outros vivem condições precárias são obrigados a trabalhar e são tratados como escravos, alguns são presos e forçados ao trabalho.

 

Escrito por Marcos Antonio Martins

Marcos Martins, é mineiro da gema, nasceu no dia 30 de abril 1975, tem dois filhos lindos que não sabe se parece com ele ou com sua esposa, é cheio de defeitos, mas as qualidades são perceptíveis.