Família faz apelo de ajuda para bebê de 10 meses com doença rara em SP:”várias paradas cardíacas e custos chegam a R$ 20 mil”

A bebê já sofre desde os três meses diversos sinais da doença síncope rara.

Bebê residente em São Vicente, litoral de São Paulo, precisa de ajuda para tratamento. A família de Lavínia Ribeiro Lopes, de apenas 10 meses, é portadora de uma doença rara. A pequena bebê necessita de acompanhamento 24h /dia, no hospital da capital paulista onde está internada.

“Lavínia tem desmaios e diversas paradas cardíacas”, conta o pai Jerônimo Lopes Rodrigues,de 39 anos. O pai da bebê, com profissão de eletricista industrial, contou ao G1, que atualmente está desempregado há mais de meio ano, e conta que os sinais do problema da filha, iniciaram há 3 meses.

PUBLICIDADE

Ele conta que o primeiro diagnóstico dos médicos, era que a menina sofria de convulsão, onde foi realizados diversos exames e tomografias feitos na altura. Depois de ter uma consulta com especialistas, descobriram que a bebê não tinha qualquer doença relacionada com o sistema neurológico ou cardíaco.

Ela necessitou de colocar um marcapasso depois de ter diversas paradas cardíacas, explicou o pai, e além disso tem acompanhamento 24h por dia, para que as paradas sejam monitoradas. A rotina do pai, e da mãe Lilian Neves, de 32 anos assistente administrativa, mudou de imediato, após a filha estar com esses problemas.

PUBLICIDADE

O casal passou a residir num hotel que se situa frente ao hospital, em SP, e ambos vão revezando a estadia ao lado da bebé. Lilian precisou de abandonar o trabalho, para cuidar da filha durante o tempo de internamento.

” É horrível, a gente não consegue mais dormir ao pensar que a nossa menina está nessa situação. Apenas só consigo pensar no dia que tudo isto termina, e quando eu vou levar a minha filha de novo para casa”, declara emocionado o pai.

Com a síncope a criança tem desmaios, e fica sem movimentos durante as crises. Aos primeiros sinais, iniciaram em Dezembro do último ano, e a partir de fevereiro deu inicio às primeiras paradas cardíacas. Já a última durou quarenta minutos, e causou um pequeno sangramento, devido à falta de oxigênio no cérebro. Depois dos sinais, a bebê necessitou de ser novamente entubada e sedada.

Por este meio os pais da bebê, pedem ajuda para conseguir continuar os tratamentos da bebê que tem custo muito elevado. Onde o plano de saúde não consegue fazer fase a todas as despesas. Se você pretender ajudar essa família, o contacto pode ser feito através das redes sociais, no perfil anexo abaixo:

 

Escrito por Carla Sofia

Sou especialista em Receitas, dicas e saúde! Gosto sempre de estar atualizada de novas receitas e formas medicinais!