Familiares das crianças que morreram carbonizadas em Poá, falam sobre a boa relação entre pais e filhos:Eram uma família feliz”

Família fala sobre o relacionamento sobre os pais dos filhos que morreram carbonizados em Poá.

Foi um choque para a família o triste desfecho dos três irmãos que morreram no incêndio da habitação. A detenção de um dos pais, chocou a família das vítimas. Uma tia das crianças, disse que é muito triste. Porque eles eram uma família feliz. Além disso as crianças também eram felizes. Ela diz ainda, que está muito difícil aceitar.

Ricardo Reis, e Leandro José Reis, moraram juntos durante quinze anos no qual tinham adotado as três crianças. Há pouco tempo, se tinham divorciado, e segundo os familiares ambos mantinham a guarda compartilhada e educavam os filhos em forma de harmônia. Ainda segundo os parentes, nada apontava que este fim fosse tao trágico para a história dessa família.

PUBLICIDADE

O incidente ocorreu na madrugada desta quarta (7), quando ás crianças estavam na casa de Ricardo, onde morava com os três filhos. O imóvel acabou por pegar fogo, e os três irmãos, acabaram por morrer carbonizados.

O pai, que sobreviveu ao incêndio, acabou por ter prisão decretada por um mês. Ainda segundo a Polícia Civil, ele tinha dado versões incoerentes, sobre o ocorrido na noite que a casa incendiou. Numa nota, a defesa de Ricardo, disse que a prisão é apenas temporária, e que foi precipitada, no qual já foi feito um pedido de habeas corpus.

PUBLICIDADE

A empresária Cristina Vieira, irmã de Leandro o outro pai das crianças , deu um depoimento desacreditado. Ela disse que ele se desdobrava para dar o melhor aos filhos.

Ela conta ainda, que eles não tinham um ano, que não fosse realizada uma festa. Pelo fato, de os pais serem administradores de um buffet, eles tinham tudo. Ela disse ainda, que o irmão fazia todos os possíveis e do impossível. A empresária fala a favor do irmão. Ela conta ainda, que não sabe como era a vida do casal, mas a família não se envolvia. Diz ainda, que a relação com Ricardo, era apenas entre cunhados.

Antes da pandemia dar inicio, o buffet de ambos foi vendido para que eles pudessem realizar o sonho, de ir morar para a Europa (França). Por esse motivo, eles se desfizeram de todos os bens que tinham no Brasil, para irem embora, mas a pandemia estragou os planos.

Foi então depois dessa fase, em agosto do último ano, o casal alugou uma casa, para passar a residir com os três filhos, mas dois meses depois se separaram. Ricardo continuou na casa, e Leandro se mudou para Mogi das Cruzes.

Na altura Leandro disse que se tinha separado, e que cada um estava a seguir a sua vida. Que ambos tinham combinado que assim que pudessem realizariam o divórcio e as crianças passariam a ficar com a guarda compartilhada, quinze dias para cada um, para que não se torna-se pesado para os dois.

Maria Aparecida Fernandes, tia de Leandro, disse que costumava ficar com as crianças do sobrinho, em algumas alturas, sobretudo com Lorenzo, mas não soube por eles de nada irregular.

Ela conta ainda, que agora é preciso saber o que aconteceu com essas crianças. Diz ainda, que quando ligaram para ela, ela pensou que eles estavam bem. Mas quando lá chegou, viu as três crianças mortas.

Escrito por Carla Sofia

Sou especialista em Receitas, dicas e saúde! Gosto sempre de estar atualizada de novas receitas e formas medicinais!