Fãs se entristecem com o falecimento de ídolo e campeão histórico do futebol brasileiro

Após encerrar a carreira, o ídolo tornou-se sócio emérito do clube e virou figura cativa.

Morreu na manhã de sábado (6) aos 87 anos o ex-goleiro Alberto Leite Martins que fez história com a camisa 1 do Botafogo no ano de 1957 1963, Adalberto que faleceu no Rio de Janeiro e a causa de sua morte ainda não foi divulgada

Adalberto teve o prazer de jogar ao lado de lendas do futebol brasileiro como Mané Garrincha, Nilton Santos, Didi, Quarentinha e Paulinho Valentim.

PUBLICIDADE

Adalberto chegou ao clube após o Torneio Rio-São Paulo de 1957 (disputado no primeiro semestre) após duas boas temporadas defendendo o Jabaquara, da cidade paulista de Santos.

Inicialmente, disputou posição com Amaury, mas ganhou o posto de titular durante o Carioca daquele ano, um campeonato que se tornaria histórico para o Glorioso.

PUBLICIDADE

Com atuações sensacionais de Garrincha e Paulinho Valentim (autor de cinco gols), o Botafogo goleou o Fluminense por 6 a 2 e faturou o título que não vinha desde 1948.

O Botafogo usou a rede social do clube para dar o anuncio do luto e também manifestar “solidariedade aos familiares, torcedores alvinegros e amigos do ídolo Adalberto”.

“O Clube, de luto, manifesta toda a sua solidariedade aos familiares, torcedores alvinegros e amigos do ídolo Adalberto neste momento de dor”.

“Durante o período de 1957 a 1962, o arqueiro disputou 81 partidas no Botafogo e sofreu 79 gols. Além do Carioca de 57, esteve presente em importantes títulos internacionais, como o Quadrangular de Bogotá (61), o Triangular da Costa Rica (61) e o Pentagonal do México (62). É considerado um dos grandes goleiros da história do clube”.

No ano de 1931 Adalberto Leite Martins agarrou com unhas e dentes alguma oportunidade que recebeu pelo técnico João Saldanha para fechar o gol no campeonato carioca de 1957, esse título foi imensamente comemorado pela torcida Alvinegra, pelo grande feito.

Após encerrar a carreira, Adalberto tornou-se sócio emérito do clube e virou figura cativa em General Severiano, exercendo alguns cargos no departamento de futebol do clube.

A última grande aparição dele no Estádio Nilton Santos foi final do ano passado, no jogo de despedida de Jefferson, que sempre dizia que Adalberto era seu ídolo.

Não foi divulgada a causa da morte. Em nota, o Botafogo lamentou a morte e disse que em breve irá divulgar detalhes do velório e enterro do ex-jogador.

 

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]