Filho de apóstolo tira a própria vida usando faixa de jiu-jitsu e tragédia abala igreja

Jovem tirou a própria vida usando faixa de jiu-jitsu.

A igreja evangélica de Manaus, capital do Amazonas, está abalada. No dia 28 de abril, último domingo do mês, uma tragédia se abateu sobre a Comunidade Evangélica Visão Apostólica, na capital amazonense.

Um jovem chamado César Oliveira, o Cesinha, como era conhecido pelos familiares e amigos, filho do apóstolo Cézar Oliveira e de Meiriane Dantas de Oliveira Ceva, líderes da Visão Apóstolica, tirou a própria vida.

PUBLICIDADE

Na flor da idade, praticanete de artes marciais, a morte de Cesinha causou grande comoção. O corpo do garoto foi encontrado por volta das 7h da manhã pelo próprio pai, na residência da família.

O jovem usou a faixa de jiu-jitsu para tirar a própria vida. Ele e o pai praticavam a arte marcial e comemoravam juntos cada nova medalha conquistada nos tatames. A morte de Cesinha entristeceu muita gente.

PUBLICIDADE

Os pais não informaram se ele sofria de algum transtorno ou de depressão. Esta doença tem sido a causa de muitas mortes nos últimos anos, inclusive no meio evangélico, onde ainda há preconceito contra doenças que afetam a mente.
Dois dias depois da morte de Cesinha, sua mãe usou as redes sociais para publicar uma mensagem emocionante. “Meu filho… O que dizer de alguém como você, meu amor? Você foi o fruto do nosso amor, meu primogênito. Tão lindo, tão na sua… A mamãe amava ouvir ‘nossa ele é a tua cara’, isso me deixava tão feliz, filho”, escreveu a mãe.

Ela continua dizendo que o sorriso do filho vai lhe fazer falta e que só Deus sabe a dor que ela está sentido neste momento difícil. “Saiba filho, que você sempre será o nosso orgulho pelo filho maravilhoso que fostes em nossa vida”, prosseguiu.

Mieriane termina o texto dizendo que tem certeza que vai encontrar o filho na Glória – referindo-se ao céu. Muitos cristãos acreditam que uma pessoa que tira a própria vida não vai para o céu.

Pessoas que sofrem com problemas emocionais podem recorrer ao Centro de Valorização da Vida (CVV), pelo telefone 188 ou pelo site. Há orientação profissional e funciona 24 horas por dia, todos os dias de semana.

 

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]