Funcionário de lar de abrigo, é suspeito de abusar de menina de 12 anos no litoral de SP

A denúncia foi realizada no último dia 18 do último mês. Tudo aponta, que o suspeito, acariciou a criança, e foi apanhado em flagrante por um dos atendidos. O caso foi registrado da delegacia especializada, onde segue em investigação.

O episódio ocorreu num abrigo Casa Lar, que fica no bairro Vila Atlântica, em Mongaguá. Mais um de tantos casos, de abuso de menores, ocorreu mais uma vez. O acusado pelo ato, é um funcionário de cinquenta e cinco anos, que logo após o caso ser revelado, foi afastado das suas atividades.

O homem é acusado de ter abusado sexualmente de uma menina de apenas doze anos, no interior de um abrigo. Nesta quinta-feira (3), de acordo com o que o G1 conseguiu saber, a Justiça determinou o afastamento do suspeito.

PUBLICIDADE

A prefeitura emitiu uma nota, informando que já tinha tirado o suspeito das atividades que ele praticava.

A denúncia foi realizada no último dia 18 do último mês. Tudo aponta, que o suspeito, acariciou a criança, e foi apanhado em flagrante por um dos atendidos. O caso foi registrado da delegacia especializada, onde segue em investigação.

PUBLICIDADE

O MP do Estado de SP, também aponta para uma ação de responsabilidade civil, através de um ato de improbidade administrativa.

De acordo com um documento, o MP diz que o suspeito atuava diretamente com adolescentes e crianças em acolhimento. No mesmo documento consta ainda, que o suspeito teria praticado os atos de abuso na menor, e um outro acolhido da casa, observou o momento e relatou a uma das funcionárias.

O mesmo documento consta ainda, que a funcionária a quem foi relatado o episódio, disse que a menina confirmou os fatos, e que o ato ocorreu duas vezes, na mesma noite. Ela conta ainda, que o suspeito entrou no quarto da criança, e só abandonou o local, quando a colega de quarto teria acordado.

A ação diz ainda, que é um caso indiscutível que o (funcionário), teria abandonado as suas tarefas no instituto, no momento que realizou o ato libidinoso com uma das crianças. O MP alega que existiu de desonestidade por parte da administração.

 

Escrito por Hosana Oliveira

Sou uma redatora que procura sempre estar bem informada do que esta acontecendo na mídia, faço do meu trabalho um aprendizado a cada dia