Homem perfura esposa com chave de fenda em PG, no Paraná

Vítima foi encontrada desacordada e bastante machucada, num dos cômodos da casa, no Jardim Paraíso

Um homem foi preso na manhã dessa segunda-feira, em Ponta Grossa, acusado de tentativa de feminicídio. Ele utilizou uma faca para cortar o corpo da própria esposa e uma chave de venda para golpeá-la na face, barriga, braços e pernas.

O grave crime ocorreu no Jardim Paraíso, na região do bairro de Uvaranas. Conforme relatos da Guarda do município, a vítima foi encontrada desacordada e ensanguentada, num dos cômodos da casa. O Samu a levou para o Hospital Regional.

PUBLICIDADE

A Guarda Municipal também informou ter localizado e promovido a prisão de José Valmir de Abreu, acusado do crime. Ele já possuía mando de prisão em aberto, por roubo, e agora responderá novo processo criminal.

    Assessora que estava com Marielle diz que fugiu por temer novo ataque

Quase um 1 após a morte de Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, uma assessora que estava no mesmo veículo onde a vereadora foi morta resolveu quebrar o silêncio e concedeu entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo.

PUBLICIDADE

A jornalista Fernanda Chaves declarou que não é uma testemunha do caso, pois não conseguiu analisar quase nada no momento do ataque. Ela explicou que deixou o país após a morte de Marielle e Anderson por medo de sofrer um novo atentado.
“Estou vindo aqui com a cara aberta. Se eu falasse aqui de costas, escondida em meio às sombras, poderia ressaltar o entendimento de que eu sou testemunha do crime. Na verdade, eu só ouvi a rajada de metralhadora e me abaixei”, falou Fernanda, que largou o Brasil logo após o atentado e ficou 3 meses escondida com a família na Europa. “Fui para a delegacia abraçada com meu advogado e abaixada.”

“O estado do Rio de Janeiro estava sob intervenção federal, as tropas estavam nas ruas. E, mesmo nessas circunstâncias, o carro de uma vereadora foi metralhado. Você fica com sensação de que a qualquer instante o seu automóvel poderá ser metralhado de novo”, afirmou.

Uma das hipóteses de investigação da morte de Marielle define a possibilidade de um crime político, com envolvimento de milicianos e agentes públicos.

A aproximação de Marielle com deputado estadual e agora deputado federal Marcelo Freixo também sugere que o crime contra a vereadora, na verdade, poderia ter sido uma forma de vingança contra o deputado.

Conforme Fernanda, ela não possuía inimigos políticos, apesar de sua participação não agradar alguns dos vereadores cariocas, e sua legislatura não mirava a atuação das milícias no Rio de Janeiro.

“Ela não tinha as milícias como alvo. O foco dela eram as questões ligadas à violência da mulher. Marielle despertava ódio nos machistas, dos racistas. Alguns vereadores não gostavam de ter uma mulher negra e lésbica como colega. Alguns se incomodavam de entrar no elevador com ela”, declarou ela.

O assassinato de Marielle e Anderson completa um ano na próxima quinta-feira (14). Até hoje, ninguém foi indiciado ou preso por envolvimento direto com o crime, que é investigado sob sigilo de Justiça.

 

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]