Lembra do massacre em Realengo? Como estão os sobreviventes hoje em dia

Após quatro anos do massacre a história é de dor, revolta e superação

As cenas vividas por essas pessoas ainda estão gravadas em suas mentes, os disparos ainda parecem ecoar nas suas mentes. Tranzendo muita dor para os estudantes e suas famílias que viveram esses terríveis fatos.

O fato que ocorreu no dia 7 de abril no ano de 2011, chocou todo o país. Wellington Menezes que na época tinha 23 anos entrou desapercebido pela Escola Municipal e em 12 minutos descarregou duas armas em várias crianças que estavam estudando tranquilamente.

PUBLICIDADE

Ao todo foram 12 assassinados e mais 17 feridos no terrível ato cometido pelo jovem. E quatro anos depois dentre os que foram atingidos e permaneceram com vida uma menina acabou ficando paraplégica, outro menino acabou ficando cego em um olho e os outro tiveram danos menos drástico físicamente.

Porém psicológicamente os danos talvez sejam irreparáveis depois de presenciar cenas tão terríveis de dor e sofrimento. Além que foi confirmado o caso de duas mães que ficaram desiquilibradas psicológicamente e outros três parentes que eram bem próximos das crianças sofreram infarto, sendo um deles fatal.

PUBLICIDADE

Thayane Tavares que hoje possui 17 anos era atleta ela praticava atletismo porém naquele terrível dia teve três balas alojadas em sua coluna vertebral perdendo o movimento das suas pernas. Mas em um grande exemplo de superação ela não desistiu de ser atleta e hoje pratica canoagem.

Luan Santos também possui 17 anos e à quatro anos adotou o uso do boné, para esconder a grande cicatriz em sua cabeça depois de ser atingido por duas balas uma que perfurou seu crânio e outra o um de seus olhos. Milagrosamente ele ainda está vivo, depois de três cirurgias e uma grande depressão ele afirma que nunca gostou tanto de comemorar seus aniversários como agora.

Edson Clayton com 18 anos, conta que nunca esquecerá os momentos que passou esticado no chão com duas balas em seu abdômen e uma em seu maxilar. Assim como Bruna Lopes de 16 e Tainá 19 dizem que conseguiram escapar dos disparos porém carregam sequelas que difícilmente sairão de suas memórias daquele terrível dia.

Infelizmente para quem passa situações como esta ficam marcados para sua vida toda, infelizmente existem pessoas cruéis no mundo que não pensam em ninguém antes de cometerem terríveis atos como estes.

Deixe sua mensagem de indignação e suas palavras de apoio aos estudante e aos familiares destes que viveram e vivem esse pesadelo diariamente.

Escrito por Ricardo Ferreira Rodrigues

Experiência em redação para plataformas em variados nichos, precisando de alguma notícia específica pode mandar mensagem no 19987129041 e solicitar o pronto atendimento