Madrasta confessa em julgamento que matou Bernardo : “pensei em contar, mas tive medo”

Em depoimento a madrasta confessou o crime, mas disse que foi um acidente.

Graciele Ugulini é a madrasta do menino Bernardo boldrini de 11 anos que morreu no dia 4 de abril de 2014 . No quarto dia do julgamento do caso que está ocorrendo no fórum de Passos de água no Rio Grande do Sul, a madrasta de Bernardo confessou o crime, mas disse que não premeditou a morte do menino e que tudo teria sido um acidente.

No mesmo depoimento em que Graciele confessou o crime, ela inocentou Leandro Boldrini pai de Bernardo: “pensei em contar para ele muitas vezes. Mas tive medo da reação”.

PUBLICIDADE

O caso da morte do menino Bernardo causou um grande espanto em todo país por causa da crueldade com que a madrasta matou e escondeu o corpo do enteado. Leandro Boldrini, Graciele, Edelvania, Evandro Wirganovicz são acusados pela morte do menino.

O corpo do menino foi encontrado 10 dias depois do crime em uma cova em uma cidade que fica a 430 km de Porto Alegre. No dia anterior ao depoimento de Graciele Leandro Boldrini negou a participação no crime:

PUBLICIDADE

“Eu digo quem matou, foi a Graciele e A Edelvânia”.

Graciele contou que Bernardo havia pedido para ir com ela a Frederico Westphalen, em casa ele teria tomado um remédio para não enjoar no caminho.

Graciele diz que Bernardo estava muito agitado, e resolveu dar para ele o medicamento chamado Ritalina, para criança que a criança se acalmasse, mas a criança continuou inquieta.

Ela então pegou sua bolsa jogou no banco de trás do carro, e pediu para que Bernardo tomasse mais do remédio, mas não viu o quanto o menino tomou.
Franciele continuou contando que ao chegar a cidade se encontrou com sua amiga,  e elas trocaram de carro. Nesse momento ela observou que Bernardo estava imóvel no banco de trás, o menino estava babando e não tinha pulso.

Nesse momento Graciele percebeu que faltavam cinco ou seis remédios na cartela, ela negou que tenha dado uma injeção letal no menino.

A Madrasta contou que a amiga Edelvânia queria levar o menino que estava desacordado para o hospital, mas Graciele admitiu que preferiu esconder o corpo de Bernardo:

“Eu pensava o que as pessoas vão pensar? Vão me prender. Vou ficar longe da minha filha”, disse Graciele. Então as duas enterraram Bernardo em uma cobra que foi aberta no meio da Mata.

Edelvânia também prestou depoimento na última quinta-feira (14) e negou que teria comprado soda cáustica, negou as afirmações que a soda cáustica teria sido jogada no corpo de Bernardo enquanto elas cavavam, mas confessou que teria comprado uma pá para fazer o buraco.

Ela disse também que as duas não premeditaram a morte de Bernardo, Edelvânia também negou o crime: “Não matei o Bernardo”.

 

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]