Mãe de uma das bebês vítimas do ataque na creche de SC, faz um desabafo emocionante de partir o coração :”Nunca vou ouvi-la me chamar de mãe”

Mãe de uma bebê vítima no ataque da creche em SC desabafa sobre o dia das mães.

Neste domingo (9), por vários países se comemorou o dia da mãe. Mas sabemos que esse dia para muitos se torna um dia triste marcado por grandes perdas, que vieram a piorar desde o inicio da pandemia que já tirou a vida a muitas famílias.

Mas além disso, este dia foi marcado e triste para as mães, que perderam os seus filhos no atentado à creche no município de saudade, no oeste de SC. Tudo ocorreu nesta última terça -feira (4), quando um homem armado com um facão, fez cinco vítimas mortais, entre elas estavam três bebês com menos de dois anos de idade.

PUBLICIDADE

Neste domingo, o programa Fantástico ouviu as famílias das vítimas, no qual teve a autorização da prefeitura para entrar na creche, mas não no interior das salas de aula, devido a permanecerem trancadas.

A mãe da bebê Ana Bella, que morreu no ataque, conta que não vai ter a sua princesa com ela, e nem vai mais ouvir chamá-la de mãe, porque ela ainda falava muito poucas palavras.

PUBLICIDADE

Na altura do ataque, estavam aproximadamente dezanove crianças no interior, que foram distribuídas por cinco salas, cada uma delas permanecia uma professora e duas agendes educacionais.

No momento que o pânico e terror deram inicio, algumas professoras ainda conseguiram se colocar em fuga levando outras crianças. Já outras não conseguiram escapar a tempo, e trancaram-se nas salas de aula usando o peso do corpo para impedir que o assassino entrasse, algo que acabou por salvar muitas outras vidas.

Após o ataque, o assassino foi rendido por vizinhos. Mas antes desse momento acontecer, ele ainda tentou se suicidar e foi transportado em estado grave para uma unidade hospitalar da região. Onde permanece sob custódia policial.

De acordo com a polícia, ainda não é possível saber que motivo levou a cometer os crimes. Já na cabeça da mãe de Sarah, as perguntas que surgem são outras. Ela se pergunta porque mandaram a menina para a creche.

Porque ela não ficou mais uns meses, na companhia da avó. Ou porque ela não ficou em casa. Ou porque ela não se conseguiu salvar, desabafou.

Escrito por Carla Sofia

Sou especialista em Receitas, dicas e saúde! Gosto sempre de estar atualizada de novas receitas e formas medicinais!