Menina doa cabelo antes de cirurgia para retirada de tumor no cérebro

Grazielly foi sujeita a uma cirurgia para a retirada da doença no Hospital Padre Albino por mais de quinze dias após o procedimento.

Um familiar e funcionário do Hospital Padre Albino, em Catanduva (SP), moveu uma menina de 11 anos para aceitar um gesto de apoio na cirurgia para retirar o seu tumor. Grazielly Ferreira decidiu cortar o cabelo e doar o seu cabelo com o objetivo de ajudar outras crianças a receberem tratamento contra a doença. A mudança visual foi realizada na véspera da operação, que foi realizada no dia onze de novembro. E teve alta do hospital da menina e sua família na terça-feira (5). De acordo com os familiares, a operação foi realizada conforme o planejado e a menina está se recuperando gradativamente e retornando às atividades como conversar, sorrir e caminhar. A família acredita que o quadro está se recuperando bem.

O pai de Grazielly disse no G1 que antes de fazer o procedimento para retirada do tumor, a menina falou sobre o desejo de doar cabelos para devolver a autoestima à criança que está em tratamento para essa doença. Levando em consideração a postura da menina, a equipe de enfermagem e profissionais da mãe de Grazielly também forneceram abertura de doação, exceto para o pai, cujo pai havia raspado a cabeça.

PUBLICIDADE

Grazielly foi sujeita a uma cirurgia para a retirada da doença no Hospital Padre Albino por mais de quinze dias após o procedimento. Portanto, ela teve permissão para se recuperar em uma casa ao lado de seus familiares. Ela apenas riu, sem medo. Ela tinha medo de não fazer a operação, ”mas minha mãe disse que ia fazer a operação e ficar saudável” comentou a menina. Meu pai disse que ela deu força a todos ao seu redor, especialmente a mim.

A avó Marli Jaques dos Santos, comentou que a atitude de Grazielly foi admirável para a juventude. Para Marli, o diagnóstico de tumor cerebral em uma menina foi repentino e chocou toda a família. “Este incidente é muito triste, toda a família entrou em pânico por causa da rapidez. Hoje ela está muito melhor, ficou dezoito dias na UTI. Ela esteve lá hoje, começou a falar dois meses após a operação, e na próxima semana vai iniciar a quimioterapia e a radioterapia ”, disse a avó.

PUBLICIDADE

A psicóloga disse no hospital que a menina é surpreendente. Dois dias após receber alta do hospital, ela não andava nem falava. Ela passou 15 dias chorando e não sabemos o que fazer. (.) Uma semana depois, ela parou de chorar e começou a dar risadas. Depois de outra semana, ela começou a dizer “vovó” e “papai”. Além disso, ele se desenvolve a cada dia que passa. “

Escrito por Lucas Alves

Colunista dedicado e focado a escrever artigos de qualidade sobre Noticias, TV, Famosos e demais assuntos.