Mulher viciada em “Fazer amor” revela o sofrimento que enfrenta contra a compulsão: “Chegava a 10 por dia e ainda queria mais”

Muitos não sabem o sofrimento enfrentado pelas pessoas que possuem essa compulsão.

Tudo o que é demais acaba estragando o relacionamento, ciúmes demais, cuidado demais e principalmente sexo demais. Algumas pessoas tem a ilusão de que ter um parceiro viciado em sexo é algo extraordinário, no entanto não sabem o sofrimento enfrentado por pessoas que possuem a compulsão.

É algo tão difícil que para alimentar o vício a pessoa é capaz até de se entregar para pessoas completamente estranhas a quem elas nunca viram como no caso da jovem a seguir.

PUBLICIDADE

A jovem Sami Walton tem 29 anos e já perdeu a maioria de seus amigos e até seu emprego por ser viciada em sexo. Muitas pessoas não sabem, mas a compulsão sexual é uma doença e precisa ser tratada.

A jovem contou que chegava a ter 10 relações íntimas por dia e ainda queria mais. A jovem perdeu também o namorado por causa da terrível compulsão, ele não aguentou e foi embora.

PUBLICIDADE

“Muita gente acha que os parceiros adoram mulheres que querem fazer sexo o tempo todo, mas não é assim. Ninguém pode suportar isso”.
Sami desenvolveu a compulsão quando completou 20 anos de idade. A jovem chegou a dormir com pessoas que nem conhecia apenas por que não conseguia ficar sem ter uma relação devido à compulsão que enfrentava.

No ano de 2010, Sami percebeu que tinha que dar um basta naquela situação, pois estava correndo graves riscos, inclusive de morrer.

As coisas estavam fora de controle e ela já havia perdido muita coisa em sua vida por causa da doença e decidiu procurar ajuda.

Depois de perder o emprego, Sami finalmente procurou a ajuda de um especialista e recebeu uma medicação para controlar a ansiedade e começou a fazer tratamento psicológico.

Há quatro anos, ela conheceu James Keates de 38 anos e os dois vivem um relacionamento. Sami contou que James tem ajudado muito em seu processo de cura contra a compulsão, ele tem sido essencial na sua luta, pois a entende e ajuda em seus piores dias:

“Tenho sorte de ter o James. Ele realmente me ajuda, especialmente, quando estou em dias ruins”. Tomara que ela consiga vencer todo esse mal.

 

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]