Ouça: Jornal Nacional divulga áudios da conversa do empresário culpado pela morte de sua esposa Carol que fica encurralado

O empresário Jorge Sentini é acusado de homicídio culposo após morte da modelo Carol Bittencourt

Durante a noite desta última terça-feira, dia 07 de maio, oJornal Nacional, transmitido pela Rede Globo, divulgou alguns áudios do conhecido empresário Jorge Sentini comprovando que o mesmo tinha total conhecimento dos perigos que poderia enfrentar se continuasse navegando em sua lancha pelo Litoral de São Paulo na região de Ilhabela.

A Polícia Civil acusa o empresário de ter sido negligente durante a morte de sua esposa, a modelo Carol Bittencourt.

PUBLICIDADE

Jorge vai responder por homicídio culposo quando não existe a intenção de matar e o caso do casal ganhou toda a atenção da mídia.

O áudio mostra uma conversa entre Jorge Sentini e a testemunha do caso, Lenildo Oliveira, dono da marina Le-Mar.

PUBLICIDADE

Fica claro no áudio que Lenildo avisa Jorge sobre os perigos que o tempo ruim poderia oferecer para sua pequena viagem em auto mar.
Se sabe que a primeira mensagem enviada pelo dono da Le-Mar ao empresário aconteceu horas antes de Carol desaparecer no mar, por volta das 16h da tarde. Jorge apenas responde agradecendo as dicas e os avisos de Lenildo.

Pouco tempo depois, a testemunha envia novas mensagens alertando que o mar estaria extremamente agitado com ventos que passavam dos 100km/h.

Oliveira pede para que o casal tentasse permanecer em auto mar, passasse a noite na lancha e não tentasse voltar ao porto por causa dos perigos.

Sentini novamente agradece e usa o apelido carinho de ‘Magrão’ para dizer obrigado pela preocupação, porém, avisa que já estaria retornando para o canal por volta das 17h, coisa que nunca aconteceu.
O empresário foi salvo por outra embarcação que o encontrou a deriva no mar, o corpo de sua amada esposa só foi encontrado um dia depois dos acontecimentos.

Vale lembrar que Jorge teria assinado um documento onde afirmava saber das condições climáticas para o passeio e que tais condições poderiam sofrer alterações graves repentinas.

O delegado Vanderlei Pagliarini, responsável pelo caso, deu algumas informações sobre as investigações e deixou claro que as provas coletadas até o presente momento não deixam dúvidas de que o empresário agiu com uma conduta culposa e vai responder por seus atos.

Qual sua opinião a respeito desse tema? Deixe registrado aqui o seu comentário. Ele é sempre de grandiosa importância para toda a nossa equipe e sempre auxilia no debate de temas com relevância para a nossa sociedade.

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]