Padre é preso suspeito de abusar coroinhas em São Paulo

Procurado pela polícia, religioso estava foragido antes de se entregar na delegacia. Ele é acusado de violentar menores de idade

O padre Claudio Cândido Rosa, de 43 anos , estava sendo procurado pela  Justiça de São Paulo que determinou a prisão preventiva, por tempo indeterminado, no interior de São Paulo, sob a suspeita de ter estuprado dois coroinhas da paróquia na qual atuava, em Presidente Epitácio.

PUBLICIDADE

O mandado de prisão foi expedido pela 1ª Vara da Comarca de Presidente Epitácio. O religioso, que estava foragido, se entregou à polícia de Presidente Prudente, na última quinta-feira, junto com um advogado.

Nos relatos, as vítimas alegam abuso do padre quando tinham menos de 13 anos e a maioria dos episódios ocorreu dentro da igreja, entre os anos de 2015 e 2017.

PUBLICIDADE

A Diocese responsável pelo padre fará um pronunciamento oficial sobre o caso na próxima quarta-feira, dia 06 de março, mas adiantaram que o padre foi afastado de suas atividades em 2017 quando receberam as primeiras notícias e que o suspeito nunca teve comportamento inadequado nos 12 anos à frente da igreja.

O padre morou em Goiás, antes de ser transferido para a paróquia de Presidente Prudente.
O caso ocorreu quatro dias depois de o papa Francisco ter convocado uma reunião com o Vaticano para cobrar medidas contra um dos assuntos mais polêmicos para a Igreja.

Em fevereiro, o papa pediu aos líderes da igreja de todo o mundo que “adotem medidas concretas” para combater a pedofilia em uma reunião do Vaticano sobre o tema.

O papa Francisco comparou, em seu discurso de encerramento da reunião, o que chamou de “praga” dos abusos sexuais de menores de idade com as práticas religiosas do passado de oferecer seres humanos em sacrifício.

Me traz à mente a cruel prática religiosa, difundida no passado em algumas culturas, de oferecer seres humanos – frequentemente crianças – como sacrifício nos rituais pagãos“, disse o papa Francisco.

Os organizadores da reunião esperam que o Vaticano anuncie uma série de medidas a curto, médio e longo prazo contra a pedofilia entre religiosos.

Nas redes sociais o caso causou revolta entre os internautas, que em seus comentários lamentam tantas descobertas como estas vindo à tona e a decepção por descobrir que quem devia proteger e ensinar o caminho da fé, na verdade está destruindo vidas e matando esperança.

 

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]