Pais completamente devastados se despedem de sua filha de 12 anos que no período de isolamento se suicidou por não aguentar o bullying virtual

A menina já havia tentado se matar antes por duas vezes.

Uma família DEVASTADA se despediu de sua menina “atrevida” de 12 anos, que se matou depois de ser intimidada em seu laptop da escola durante a temporada de isolamento social.

A mãe aflita de Charley Patterson disse que sua filha “não estava mais sofrendo ou com medo”.

PUBLICIDADE

Charley Patterson, de Cramlington, Northumberland, foi encontrada morta no início deste mês por seu devastado pai, Paul, após ser abusada por agressores em seu laptop e na sala de aula.

Ela tentou se suicidar duas vezes antes, em novembro passado e em março. Sua mãe que ficou horrorizada com a situação se chama Jay, tem 35 anos triou o telefone de Charley para tentar impedir as provocações horríveis, mas durante o isolamento ela teve que ter seu laptop para a escola e foi sujeita a ainda mais bullying.

PUBLICIDADE

Jay disse no pequeno funeral de apenas 15 pessoas no Crematório de Whitley Bay que sua filha “não estava mais sofrendo ou com medo”.

Ela disse: “Seu sorriso sempre alcançou seus olhos, ela sempre teve um sorriso atrevido e uma piada nos lábios.”

“Ela era como a minha sombra. Durante o dia da semana é mais fácil porque é como se ela estivesse na escola.

É uma noite ou um fim de semana e ela não está lá. Quando você está fazendo o jantar e há uma refeição a menos para fazer. É tão difícil.”

A celebrante Janet Green descreveu a menina de 12 anos como uma “bola de energia e diversão” que tinha seu pai amoroso “enrolado em seu dedo mindinho”.

A jovem adorava subir em árvores e sair para um passeio de bicicleta com seus melhores amigos, mas sofreu coisas horríveis provocadas por seus colegas que a intimidavam com o bullying.

 

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.