Pílula abortiva não faz efeito, bebê nasce e agora casal está processando clínica de abortos. Entenda

Mesmo após tomar a pílula abortiva a criança continuou viva.

Um caso curioso aconteceu um com um casal de Idaho. A mulher estava grávida de 6 semanas e juntamente com seu marido decidiu que os dois não tinham condições financeiras para ter o bebê.

Certos de que estavam tomando a decisão mais correta o casal viajou mais de 1.200 km para adquirir os serviços da Clínica Paternidade Planejada que fica em Albuquerque, Novo México, conhecida como o “gigante do aborto”.

PUBLICIDADE

No entanto algo deu muito errado no processo de aborto, ao chegar à clínica a mulher foi instruída a tomar o primeiro de dois comprimidos que lhe foram entregues para finalizar a gravidez. Ela contou que tomou o primeiro comprimido e foi instruída pelos enfermeiros da Clínica a tomar o segundo mais tarde, ela contou também que os enfermeiros costumam dar algum antibiótico para prevenir infecção.

“Primeiro você toma uma pílula chamada mifepristona. Algumas pessoas sentem náuseas ou começam a sangrar depois de tomar mifepristona, mas não é comum, seu médico ou enfermeiro também poderá lhe dar antibióticos para prevenir infecção. O segundo remédio é chamado o misoprostol.
Você pode tomar o misoprostol imediatamente, ou até 48 horas depois de ter tomado o primeiro comprimido, seu médico ou enfermeiro avisarão como e quando tomar, este medicamento causa cólicas e sangramentos para esvaziar o útero.” Contou a mulher.

PUBLICIDADE

Mas o que o casal não imaginava era que depois que eles voltassem para casa no dia seguinte, ela teria que ser levada ao hospital às pressas e lá descobriria que o seu bebê estava vivo e com batimentos cardíacos muito.

A mulher então decidiu entrar em contato com a clínica pedindo uma nova dose da pílula abortiva, ela queria de todas as maneiras interromper a gravidez, porém a clínica se negou e disse que ela só teria direito a uma dose gratuita se voltasse ao Novo México, agora se quisesse fazer o aborto na cidade onde morava teria que pagar por uma segunda dose.

“O custo de um aborto de medicação varia e depende de onde você obtém e se você tem ou não seguro de saúde que cubra parte ou todo o custo. Seu aborto pode ser gratuito ou de baixo custo com seguro de saúde, mas alguns planos do seguro não cobrem o aborto”.

A clínica de aborto informou o casal que poderia ser muito perigoso dar à luz a um bebê no qual tentaram matar com a pílula do aborto, pois a medicação poderia resultar em muitos defeitos congênitos.

O casal decidiu processar a clínica de aborto, eles também estão pedindo indenização por quebra de contrato, práticas comerciais desleais, violação das leis de proteção ao consumidor e problemas emocionais entre outras alegações.

 

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]