Polícia revela atos indecentes de padre que restaurava virgindade: “precisava tocar para santificar”

O Padre Iran Rodrigo Souza de Oliveira, 45 anos, teve a prisão preventiva decretada enquanto as investigações estiverem em andamento. Ele é acusado de crimes contras meninas e mulheres com idade entre 11 e 50 anos em Goiás.

Segundo as informações iniciais, os crimes eram praticados desde 2005, quando então o padre prometia que elas teriam a virgindade restaurada, mas na verdade ele praticava abusos.

Com a promessa de recuperar a virgindade usando para isso o que ele dizia ser uma purificação, várias mulheres foram enganadas, inclusive meninas.

PUBLICIDADE

Vítimas denunciam padre restaurador de virgindade em depoimento.

As mulheres que prestaram depoimento na polícia contra o padre informaram que ele oferecia a bênção para recuperar a virgindade, quando em segredo elas confidenciavam suas angústias e contavam as questões íntimas relacionadas ao sexo por sentirem culpa pelo ato.

Prontamente ele se aproveitava da ingenuidade e crença das vítimas para oferecer a “bênção” e elas teriam e volta a virgindade.

Para fazer a tal restauração de virgindade, ela primeiro tinham que permitir que o padre as tocasse, pois ele prometia que, assim que tocasse na genitália a virgindade voltaria.

PUBLICIDADE

Depois to constrangimento de serem tocadas, as vítimas tinham que enviar fotos das partes íntimas nas mensagens usando aplicativo para garantir a manutenção da virgindade.

Fazia parte da manutenção da virgindade, também tocar as mulheres várias vezes.

Veja o que o padre dizia para as fies que sentiam culpa por não serem mais virgem.

“Preciso tocar para santificar”, dizia o padre para as mulheres que permitiam o ato acreditando na possibilidade de ser verdade.

PUBLICIDADE

As mulheres estão arrependidas por terem deixado que o padre cometer os crimes, mas a princípio de fato acreditaram na conversa dele.

É importante dialogar em casa sobre os perigos e preparando a família para que ninguém caia nesse tipo de crime acreditando que em qualquer conversa.

PUBLICIDADE