Portaria lavrada por Sergio Moro a favor do isolamento foi o motivo de irritação de Bolsonaro

Uma portaria emitida pelo Ministério da Justiça, na época da gestão de Sergio Moro, favorecendo a rigidez quanto as regras para o isolamento social foi crucial para que o presidente Bolsonaro aumentasse seu tom de voz contra o ex-ministro em uma reunião polêmica onde o presidente deixou claro sua intenção em interferir na Polícia Federal.

Uma portaria emitida pelo Ministério da Justiça, na época da gestão de Sergio Moro, favorecendo a rigidez quanto as regras para o isolamento social foi crucial para que o presidente Bolsonaro aumentasse seu tom de voz contra o ex-ministro em uma reunião polêmica onde o presidente deixou claro sua intenção em interferir na Polícia Federal.

A reunião foi dia 22 de abril e a gravação foi enviada na sexta-feira (8), ao STF (Supremo Tribunal Federal), sendo indicada por Sergio Moro como uma evidência quanto a intenção do Executivo de intervir na PF. A proposta do ex-ministro, sofreu pesada oposição do presidente, também fixar multa através de lei federal, para todo aquele que tentasse furar a quarentena durante o período de pandemia do COVID-19 e para alguns casos, até decretar prisão pra garantir o endurecimento a população em relação a quarentena.

PUBLICIDADE

Como tal infração ao desobedecer a ordem da quarentena era considerada sem um potencial ofensivo, a ideia era que se ao acaso a pessoa tivesse o compromisso ao cumprir a quarentena, a prisão não seria uma opção.

Na reunião, onde Bolsonaro tinha o conhecimento a respeito do assunto da portaria do Ministério da Justiça, o presidente fez cobranças a Sergio Moro para se explicar diante de todos os ministros quanto ao motivo de decretar prisão contra aquele que violasse a quarentena.

PUBLICIDADE

Conforme relatos ouvidos pela VEJA, Moro sofreu pressão para que fizesse ataques aos governadores e deveria se alinhar quanto à política do Executivo, exigindo rápida retomada da atividade econômica. Em duro tom e mal-educado considerado pelo ex-ministro, Bolsonaro cobrou Moro sua fidelidades as ideias e decisões do governo federal.

Por meio de interlocutores, Sergio disse que ao divulgar vídeo da reunião feita pelo presidente, assim como cogitaram alguns membro do governo, será um tapa na cara do presidente. “Tamanha capacidade do presidente ao cometer erros sucessivos é o motivo dele querer divulgar esse vídeo”, disse Moro a seus auxiliares. Parte da certeza de Sergio está baseada noutra reunião onde ele, ainda como chefe da Justiça, pediu autocontrole aos secretários estaduais da Segurança Pública contra talvez medida de prisão.

Escrito por News Report

Colunista de notícias, visando levar a informação à leitores diversos, através da internet, mídias sociais, redator de plataforma em diversos assuntos.