Record será obrigada a transmitir programas sobre religiões de matriz africana

O motivo teria sido a Record, em seus programas da Igreja Universal, ter atacado religiões de matriz africana.

Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) condenou a Record a transmitir programações em favorecimento às religiões de matriz africana.

Segundo a ação elaborada por integrantes de religiões de matriz africana, a Record atacava com preconceito através dos programas da Igreja Universal do Reino de DEUS.

As transmissões seriam um acordo entre a emissora e o Tribunal Regional Federal da 3ª região, que recebeu uma ação pública contra a emissora.

Na ação, o Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro-Brasileira (Itecab) e o Centro de Estudos das Relações de Trabalho e da Desigualdade (Ceert), pediram deferimento de reparo aos danos causados pela emissora ao expor de modo preconceituoso suas religiões de matriz africana.

Segundo o MPF, os programas possuíam em sua pauta “intolerância religiosa em pleno espaço público televisivo contra as religiões de matriz africana”, e também ressaltou que a liberdade religiosa não pode ser usada para “acobertar condutas ilegais” contra as demais religiões.

Além de ter de reproduzir conteúdo, a Record terá de pagar R$ 300.000 (Trezentos mil reais) ao Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro-Brasileira (Itecab) e a mesma quantia ao Centro de Estudos das Relações de Trabalho e da Desigualdade (Ceert).

O direito de resposta concedido seria divididos em 8 programas contendo 20 minutos de duração cada um, no entanto com o acordo firmado no TRF3, ficou determinado que o tempo dos programas teriam uma diminuição, e que apenas a Record News seria responsável por transmitir tal direito de resposta.

Integrantes da Igreja Universal sempre foram motivo de polêmica em detrimento aos ataques sobre demais religiões. Na década de 90, um pastor da Universal gravou um vídeo, onde aparecia chutando uma estátua católica. O caso gerou grande repercussão negativa, e o Pastor teve que ir embora do Brasil na época.

Sem contar o caso do chute à estátua, a igreja Universal também é muito conhecida por cobrar dízimos e ofertas de seus fiéis, tendo perdido até processos para àqueles que se sentiram de certa forma lesados pela igreja.