Sargento trans em SC conquista direito de usar nome feminino, mas Polícia Militar descumpre decisão da justiça

A trans Priscila de 43 anos ganhou na justiça o direito de usar nome feminino na PM

Priscila Diana de 43 anos foi a primeira mulher trans da Polícia Militar de Santa Catarina e quase um ano após essa conquista na justiça, ela ainda luta dentro da corporação para ser reconhecida pelo nome feminino.

PUBLICIDADE

A suposta desobediente agride uma liminar da Justiça que determina o reconhecimento da Trans dentro da Corporação com o nome atual.

PUBLICIDADE

Uma liminar da justiça de Florianópolis determinou que em apenas duas semanas a Polícia Militar de Santa Catarina venha explicar o porque do descumprimento da medida.

A vitória de Priscila na justiça foi em 11 de maio de 2020, mas até o momento a Corporação não tem aceitado, mas o descobrimento é uma quebra da lei.

Priscila é sargento na corporação, ela entende que é algo novo pois desde 1985 nunca houve caso parecido e à dificuldades em lidar com essa situação, mas a demora afeta a sua vida e percebe que por mais que tenha ganhado na justiça, não há mudança.

Em nota o departamento afirmou que o problema é dentro de Recursos Humanos, isso acontece é porque as regras de Previdência do gênero feminino é diferente do masculino.

A Polícia Militar de Santa Catarina está aguardando a decisão do estado, já a administração disse que a partir do momento que a pasta foi apresentada eles tomaram a providência e o cadastro foi realizado.

Mas no sistema até o momento permanece o nome masculino, a administração informou que deverá verificar todos os dados e o parecer será dado em pouco dias, Priscila deseja apenas usufruir dos seus direitos.

 

Via: uol.com.br

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.