Técnica em enfermagem morre infectada por Covid-19 esperando vaga na UTI que não saiu, ela deixou uma filha de 6 anos

Ela permaneceu no hospital por mais de 24 horas, aguardando um leito de UTI e faleceu por falta de vagas,

Uma nota de falecimento foi publicada em uma página do Facebook, a técnica em enfermagem Williane Maily Lins dos Santos, de 30 anos de idade, foi levada para o Hospital João Murilo, em Vitória de Santo Antão Pernambuco, por suspeita de COVID-19.

Ela permaneceu no hospital por mais de 24 horas, aguardando um leito de UTI e faleceu por falta de vagas, novas vagas de UTI precisam ser abertas, para atender casos de COVID-19, pois as que já possuem não são suficientes para suprir as demandas de terapias intensivas e tratamentos de COVID-19.

PUBLICIDADE

Williane, deixou uma menina de seis anos de idade, ela foi levada para o hospital sentindo forte dores no peito e vários diagnósticos que apontavam para o coronavírus, ela lutava por uma vaga na unidade de terapia intensiva, quando quadro se agravou, foram duas semanas de sintomas e 24 horas lutando para conseguir uma transferência, infelizmente ela não resistiu.

Segundo parentes, quando surgiu uma vaga na UTI, em um hospital privado de Recife, já era tarde demais, às 23:45, a técnica em enfermagem Wiliane, faleceu por uma parada cardíaca.

PUBLICIDADE

Suzana Melo, médica nefrologista, amiga de Williane está à frente da denúncia, segundo ela o hospital complicou o procedimento de transferência da paciente, as informações é que não havia UTI no estado disponíveis, mas segundo a médica, havia UTIs disponíveis para o tratamento de COVID-19.

A médica conversou com alguns médicos e eles garantiram que haviam vagas, quando a vaga saiu, já era tarde demais, é muito triste, revoltante, disse Suzana Melo.

A médica disse que a técnica em enfermagem amava o que fazia, era uma profissional prudente, que já trabalhou em vários hospitais, a demora para arrumar uma UTI, causou a morte dela.

Segundo familiares, Williane, procurou vários postos de saúde da cidade, quando foi ao Hospital, nenhum teste foi realizado.

A reportagem não conseguiu contatar o hospital, já a Secretaria Estadual de Saúde, disse por nota, que quando o Williane chegou ao hospital, estava com quadro moderado, depois houve um agravamento, eles solicitaram uma vaga na UTI, mas ela não resistiu, no mesmo dia teve uma piora súbita, o que impossibilitou a sua transferência.

 

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.