“Vamos continuar juntos. Os governos passam. Vamos orar !!!”, explicou o ex-ministro em uma mensagem indireta a Bolsonaro

"O número real provavelmente será de pelo menos 3 milhões e poderá chegar a 10 milhões de pessoas infetadas no Brasil".

O Brasil ultrapassou a barreira de 50.000 mortes por coronavírus no domingo, após registrar 632 novas mortes por dia e atingir 50.608 mortes, pouco mais de três meses após a confirmação da primeira morte no país, segundo dados oficiais das secretarias regionais de Saúde .

PUBLICIDADE

Segundo dados compilados pelo Conselho Nacional de Saúde (CONASS), o país também registrou 17.304 novas infecções por COVID-19 nas últimas 24 horas, elevando o número total de infectados para 1.084 milhões.

Nesta semana, o Brasil registrou cinco dias consecutivos acima da barreira das 1.000 mortes, confirmando o país como o segundo do mundo em número de vítimas e infecções, atrás apenas dos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

Os números indicam que o vírus continua avançando rapidamente no Brasil, apesar de especialistas alertarem que a pandemia ainda não atingiu seu pico naquele país de dimensões continentais e cerca de 210 milhões de habitantes.

Segundo dados das 27 secretarias regionais de saúde do país, São Paulo, o estado mais populoso do Brasil e onde vivem cerca de 46 milhões de pessoas, continua sendo o epicentro da doença, com 12.588 mortes e quase 220.000 casos confirmados de COVID-19.

O segundo estado mais afetado pela emergência sanitária é o Rio de Janeiro, que já tem 8.875 mortes e está perto de 100.000 infectados.

Apesar do crescente número de infecções, centenas de pessoas novamente ignoraram as proibições impostas pelas autoridades de saúde e encheram as praias da “cidade maravilhosa” neste fim de semana.

No nordeste brasileiro empobrecido, a situação mais delicada é o estado do Ceará, que atingiu 5.523 mortes e poderia superar o Rio de Janeiro em número de infectados nos próximos dias.

Vários estados e cidades brasileiras iniciaram no início de junho o processo de reabertura gradual da economia, mas muitos municípios reverteram esta semana devido à acelerada taxa de expansão do patógeno.

“Vamos continuar juntos. Governamos vocês passam. Vamos orar !!!”, explicou ou ex-ministro em uma mensagem indireta a Bolsonaro, um dos governos mais éticos da série do COVID-19 e duramente criticado por sua gestão durante a pandemia.

Escrito por Redatora S Silva

Sou colunista de noticias, de famosos, tv, receitas, politicas e testemunhos e mensagens, reflexoes. Buscamos sempre o melhor, para que as notcias chega a tempo para todos.