Vídeo mostra assassinos em estacionamento onde deixaram carro com armas usadas no massacre em escola de Suzano

Luiz Castro e Guilherme Monteiro aparecem na guarita de estacionamento onde veículo ficou antes do crime.

Vídeo gravado por câmera de segurança mostra os assassinos do ocorrido em Suzano no estacionamento onde deixaram o veículo com as armas utilizadas no massacre na Escola Estadual Raul Brasil nesta quarta-feira (13).

PUBLICIDADE

Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, aparece na frente da guarita do estacionamento. Atrás da janela está Guilherme Taucci Monteiro, de 17. Eles mataram 8 pessoas nesta quarta: um homem em uma loja e sete na escola, e depois se mataram ao serem cercados pela PM. Outras onze pessoas ficaram feridas, sendo que uma está em estado grave.

A razão do crime ainda é investigado pela Polícia Civil. O Ministério Público de SP vai apurar se uma organização criminosa na internet está por trás do massacre na Escola Estadual Raul Brasil em Suzano. Os dois eram ex-alunos.

PUBLICIDADE

O automóvel usado pelos dois ficou estacionado do dia 21 de fevereiro, quando foi alocado, até 7 de março.

De acordo com policiais, os dois iam até o local para dialogar e guardar objetos que seriam utilizados no massacre, como revólver, machado, besta (espécie de arco com flecha) e bombas caseiras.

Para investigadores, o veiculo serviu como esconderijo do armamento. A polícia ainda procura descobrir onde o carro ficou do dia 7 até quarta, quando a chacina ocorreu.
A Polícia já sabe que o revólver calibre 38 usado na chacina estava com a numeração raspada, o que indica a possibilidade de ele ter sido obtido com algum outro criminoso. Um machado, uma besta, espécie de arco com flecha, e bombas caseiras também estavam com a dupla.

Informações iniciais da investigação policial indicam que Guilherme e Luiz premeditaram o crime, planejando ele por mais de um ano, e ainda pretendiam matar mais pessoas do que as 13 vítimas fatais do massacre de Columbine, que aconteceu em 1999 nos Estados Unidos. Naquele crime cometido há 20 anos numa escola, dois assassinos também se mataram em seguida.

Um dos amigos dos criminosos foi escutado pela polícia na noite de quarta e contou que soube da intenção da dupla em realizar o atentado. Só não sabia quando seria.

Os investigadores já ouviram vinte pessoas no total, entre pessoas próximas aos assassinos e vítimas deles.

 

Escrito por Pedro Machado

Apaixonado por marketing digital, colunista em diversos sites e páginas do facebook. Trabalhando como redator autônomo há mais de 5 anos. Contato: [email protected]